Rss

Get Adobe Flash player

 
Hugo Seco reforça Académica: “Concretizei o meu sonho”
Sexta, 04 Julho 2014

O extremo português Hugo Seco é o novo reforço da Académica. Aos 26 anos, o ex-jogador do Benfica de Castelo Branco regressa a uma casa que bem conhece pois foi precisamente nos “estudantes” que fez toda a sua formação.

Hugo Seco foi um dos pilares da excelente temporada que a equipa do Benfica de Castelo Branco realizou no Campeonato Nacional de Seniores e dá agora o salto directamente para o principal escalão do futebol português, para o clube que representou nas camadas jovens.

O novo dono da camisola 77 da Académica afirma que o ingresso na Briosa significa o “concretizar de um sonho” e diz-se pronto para o desafio.

“É o concretizar de um sonho. Desde que saí, no último ano de júnior, tinha prometido ao meu pai que voltaria. É um regresso a casa, ao clube do meu coração. Esta é a altura certa para regressar. Sinto que evoluí bastante nas duas últimas épocas e estou preparado para abraçar este projecto. Tenho tudo para me afirmar no meu clube.”, começou por dizer.

Hugo Seco, que assinou um contrato com a Académica válido para as próximas duas temporadas, revelou que a Briosa evoluiu muito desde que terminou a sua formação e deixou as suas perspectivas para a época que se avizinha.

“Diferenças? Muitas. Sobretudo nas infra-estruturas. O clube evoluiu muito e as recordações que tenho são as melhores. Os melhores anos da minha vida foram passados aqui. Queremos alcançar a melhor classificação possível e vamos ter um grupo com qualidade. Quero ganhar a confiança do treinador e sinto que se tudo correr bem posso fazer uma boa época.”, adiantou.

As lesões e o quase adeus ao futebol

A transição de juniores para seniores não é fácil para nenhum jogador e para Hugo Seco as dificuldades foram talvez ainda maiores. Desde que saiu dos juniores da Académica, o extremo português passou por uma série de desafios que quase o levaram a abandonar o futebol mas o sonho de um dia voltar a representar a Briosa mantiveram bem vivo o “bichinho” do desporto-rei. Isso e, claro, o apoio da família e amigos.

“Tive muitas lesões depois do meu último ano de júnior e foram três épocas onde me aconteceu de tudo. Pensei até em abandonar o futebol. Mas com a ajuda da família e amigos reencontrei o prazer de jogar futebol e este regresso à Académica é muito bom. Ainda não estou em mim… Só quando frequentar o dia-a-dia posso acreditar que estou novamente na Académica. Foram seis anos nas camadas jovens e agora estar de volta é uma sensação única.”, referiu.

A terminar, Hugo Seco explicou a escolha do número 77 e traçou o seu próprio perfil enquanto jogador.

“Sou um jogador rápido e com técnica. A velocidade é a minha melhor arma. Quero criar desequilíbrios, acrescentar sempre algo ao jogo. Essa é a principal função na posição em que jogo. 77? Na época passada usei este número, as coisas correram bem e espero que aqui na Académica também tudo possa correr como espero.”, terminou. 



Durante um jogo entre a Académica o Benfica, dois jogadores lesionam-se depois de um choque. Os massagistas das duas equipas entram no campo a correr, sendo que o do Benfica era conhecido como o “Mão de Pilão”. Mas foi o da Académica, Guilherme Luís, quem chegou primeiro aos jogadores lesionados. Da bancada, o médico Ângelo Mota disse “Olha, o “mão de pilinha” ganhou ao “mão de pilão!”. A partir daí, Guilherme Luís ficou conhecido como o “Pilinhas”.

 Sócios

Faz-te Sócio

 Loja Online

Loja Online

 Histórico e Palmarés

Histórico e Palmarés

 Redes Sociais

 

 E-Sports

E-Sports

 Briosa Pelo Mundo

Briosa pelo Mundo

 Press Center

Press Center

 Newsletter da Académica

Clique aqui